Passeata reúne mil comerciários para entrega da pauta de reivindicações

Passeata reúne mil comerciários para entrega da pauta de reivindicações

Depois de uma concentração no Vão Livre do Masp (Avenida Paulista), na manhã desta quarta-feira, 23 de setembro, aproximadamente mil comerciários de todo o Estado de São Paulo seguiram em passeata até a sede da FecomercioSP, 700 metros de distância, para a entrega da pauta de reivindicações da categoria aos patrões.

O ato unificado está sendo liderado pelo presidente da Fecomerciários e da UGT/SP, Luiz Carlos Motta, e Ricardo Patah, presidente do Sincomerciários de SP e da UGT Nacional. A data-base da categoria é 1º de setembro e a nova Convenção Coletiva de Trabalho vai beneficiar cerca de 2,7 milhões de comerciários paulistas.

Realizado pela Federação em parceria com o Sincomerciários de São Paulo, o ato reúne dirigentes dos 68 Sindicatos Filiados e abre a Campanha Salarial dos Comerciários 2015/2016.

Durante a concentração e a passeata, os comerciários vestem camisetas da Campanha Salarial Unificada, agitam bandeiras, carregam faixas alusivas, entregam folhetos com as reivindicações e a edição especial do jornal “Voz Comerciária”, com a manchete “luta salarial mobiliza 2,7milhões no Estado”.

Os manifestantes também gritam palavras de ordem, como: “Queremos aumento real, reajustes dignos nos pisos e renovação das cláusulas sociais”; “Não ao arrocho salarial e sim ao aumento real!”; “Nossa pauta é justa e real e foi aprovada em Assembleias nas bases dos Sindicatos dos Comerciários no Estado”; “Juntos, vamos mais longe. Juntos, somos mais fortes!”.

“Vamos mostrar que a nossa unidade é muito importante e que juntos temos mais força”, gritou o presidente Motta, em cima de um dos dois caminhões de som à frente da passeata.

Por volta das 11 horas, a massa de comerciários chegou à frente da FecomercioSP, a federação patronal (Rua Dr. Plínio Barreto, 285, Bela Vista), onde uma comissão de dirigentes sindicais deve ser recebida pelos patrões para entrega da pauta que traz entre outras reivindicações:

Reposição das perdas da inflação pelo INPC/IBGE.

Aumento real dos salários.

Valorização dos pisos em 20%.

Vale-refeição.

Fornecimento de cesta básica para todos;

Pagamento de PLR.

Preservação da saúde e da segurança do trabalhador.

Redução da jornada semanal de trabalho de 44 para 40 horas sem redução salarial.

Estabilidade após o retorno do auxílio-doença.

Auxílio-creche (para atender mães comerciárias que não têm com quem deixar seus filhos).

Outras bandeiras de luta da categoria: correção da tabela do Imposto de Renda; fim do Fator Previdenciário; recuperação das perdas do FGTS; inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho; erradicação do subemprego e dos trabalhos infantil e escravo.

Fonte : Fecomerciários